De Gênio e Louco

Maio/16.

Todo mundo tem um pouco, diz o ditado. No imaginário popular a genialidade e a loucura vivem delírios de grandeza em conflito bipolar. Cientificamente é  impreciso definir o limítrofe de um ou de outro, entretanto nas expressões humanas de maiores expoentes, a exemplo das artes e ciências, é comum definirmos uma obra ou invenção como coisa de gênio ou coisa de louco. No vinho mensurar a dimensão intelectual é da mesma forma tênue, há quem interprete o fermentado e saboreie loucura, ao mesmo tempo que outro, saboreie genialidade. No Rio Grande do Sul não é cabal porém investigativo citar duas personalidades que se enquadram neste ditado: Vilmar Bettú e Eduardo Zenker. O foco neste post é a Arte da Vinha ou Vinhas da Loucura de Zenker, foto abaixo.

Zenker11Foto: crédito a revista Bon Vivant.

Naturebas são parte gênios e parte loucos. Zenker é um dos estandartes Natureba no Brasil. Cultura de alquimia e romantismo permeiam estes produtores que reduzem a (quase) nada a interferência na correção do vinho e contam apenas com o trabalho artesanal para expressarem a fina estampa da natureza através da vinha. É preciso se transportar, querer compreender sob pena de cometer o equivoco de apenas rotular o movimento como  “bicho grilo do vinho”,  jocosamente. A imperfeição destes vinhos pode ser virtude se notada como autentica impressão digital da limitação humana antes da bem vinda lapidação industrial. Nem melhor, nem pior, apenas um estilo de vinhos onde a dádiva da natureza é pretensiosamente imaculada até o copo, testemunha por séculos do próprio homem.

Eduardo Zenker é um autodidata produz seus vinhos na garagem de casa em Garibaldi/RS começou tudo como um hobby. Seu vinhedo de aproximadamente 1 hectare em Carlos Barbosa/RS produz Chardonnay e Pinot Noir. As demais uvas que utiliza é fruto da parceria com produtores locais que convergem com suas ideias. Tudo é feito com simplicidade e muita paixão. O nome Arte da Vinha e Vinhas da Loucura tem ligação direta com a identidade experimental de suas invenções. Da mesma forma o desprendimento do padrão comercial existente na indústria.  Meio louco, meio genial. Produz espumantes, brancos, tintos e laranjas. Os nomes e rótulos imaginativos vedados com cera imprimem identidade única! Adquiri alguns exemplares do portfólio… todos com tiragem minúscula.

zenker3

zenker4

Agrupei neste post três vinhos degustados em datas distintas. Do mais recente para o primeiro da imersão Tchêrroir.

a) Maio/16.

ludico2

LÚDICO ROSÉ DE BRANCO 2012. Corte de 75% Pinot Noir e 25% Chardonnay. Na elaboração dos espumantes de método tradicioal Zenker não utiliza nenhum tipo de licor, nem de tiragem, nem de expedição. Espocar de média intensidade. Perlage inicia vigoroso e vai perdendo força – observo com maior velocidade do que a média se comparado com outros champenoise consumidos no Tchêrroir. Apenas uma observação, não acarreta defeito. A cor é outonal lembra muito o ocrplatanose alaranjado (saibro) decorrente da menor produção de clorofila que tinge as folhas na copa dos Plátanos na Serra Gaúcha, muito típico. Registrei uma fotografia (à esquerda) neste mesmo mês de Maio em Gramado, lembra ou não lembra? É muito bonito no alto e caídas no chão formando um tapete alaranjado. Os aromas são exóticos de caju e cítricos de acerola. Na boca é equilibrado entre untuoso e ácido. Faltou a graduação de álcool. Paladar delicado de physalis, chá de hibisco (toque de amargor) e batata-baroa cozida. O final é cremoso de goiabada (sem o dulçor). Boa persistência. Interessante espumante de estilo moderadamente seco, versátil. Aprovadíssimo Natureba. Está na faixa de R$60. Estivesse nas lojas tradicionais, acredito, encareceria uns 40%. Corra até a garagem da Loucura!


AVALIAÇÃO:

5 saca rolha

PREMISSAS:

P2|R5|E4

VALORIZAÇÃO:

1


b) Abril/15.

proseco

CÁRICO PROSECCO 2011. A legislação do Prosecco sofreu recente modificação. A revista Adega® nº105 aborda o tema com profundidade, vale conferir(clicar). Este espumante Cárico de método tradicional é feito 100% com Glera, anteriormente chamado de Prosecco. Espocar de baixa intensidade, talvez denotando a idade. Perlage muito atraente, bolhas finas e continuadas mesmo após longa oxigenação na taça. Aromas de frutas tropicais: caju, graviola, kiwi amarelo. No palato confirma a vocação do frutado de frutas amarelas, limpo, docinho na medida e refrescante. Absurdamente leve e fácil, um sorriso só apreciá-lo com castanhas de caju preparando o almoço. Contraponto aos espumantes Prosecco Charmat nacionais produzidos em larga escala (majoritariamente vendidos em supermercados) este Cárico tem menor acidez e é mais ligeiro.  A virtude está em interpretar o estilo mas delicado, uma pintura em aquarela e não a óleo. Minha esposa interpretou como simples (demais) . Custa na faixa de R$50 considerando venda direta x qualidade uma segunda oportunidade eu passaria.


AVALIAÇÃO:

2 saca rolha

PREMISSAS:

P2|R3|E2

VALORIZAÇÃO:

1


c) Março/15.

oxi2

ÓXI 2011. Diminutivo de Oxidado. Corte de sete uvas: C.Sauvignon, C.Franc, Merlot, Carmenere, Ancellotta, Malbec e 10% de Peverella. ÓXI não é laranja e nem rosé, é vermelho! O pitaco feminino: “Idêntico ao Coromandel 473 da Chanel”. (Te mete!?). Estilo de rosé com viés de tinto jovem com boa transparência. Na taça apresenta álcool de baixa intensidade lembra um drink leve de verão. Aromas de quentão e morangos. Paladar de frutas vermelhas azedinhas, chá de maçã e canela, leve pimentão amarelo. Estilo tradicional apesar do exotismo da oxi3diversidade de uvas utilizadas. Gostamos mais do vinho sozinho do que com a Paella. Brigou um pouco com arroz marcado no caldo de peixe que estava levemente apimentado onde 2 +2 =3. Pontualmente com o camarão e o pimentão amarelo conseguiu bom encaixe. Recomendo apreciá-lo com fiambres magros em um conceito de entradinhas bem informal, matando a sede, flertando com a beleza da cor e o bom papo. O Zenker recomenda apreciá-lo com aves de granja e embutidos. Em contraponto ao rosé espumante Lúdico este rosé Óxi é mais discreto e menos versátil. A persistência é tênue com um final de especiarias asiáticas. Terminamos a tarde assistindo uma série e matando o final da garrafa – perfeito! Custa na faixa de R$50.


AVALIAÇÃO:

3 saca rolha

PREMISSAS:

P2|R3|E3

VALORIZAÇÃO:

1

Conheça nosso Sistema de Avaliação .